sábado, 4 de outubro de 2008

let it be


...'vou te escrever carta e não te mandar. Vou tentar recompor seu rosto sem conseguir. Vou ver Júpiter e me lembrar de você. Vou ver Saturno e me lembrar de você. Daqui a vinte anos voltarão a se encontrar. O tempo não existe. O tempo existe sim, e devora. Vou procurar teu cheiro... sem encontrar, porque terei esquecido... Quando eu olhar a noite enorme do Equador, pensarei se tudo isso foi um encontro ou uma despedida. E que uma palavra ou um gesto, seu ou meu, seria suficiente para modificar nossos roteiros'...
Caio Fernando Abreu

Marina Lima - Virgem  by  lilithlilith

domingo, 28 de setembro de 2008

por causa do amor...


video

Aos 50 anos de Bossa Nova. Tudo por causa do nosso grande maestro... salve Tom!

domingo, 21 de setembro de 2008

gente de verdade

O caminho do coração é o caminho da coragem. É viver na insegurança, é viver no amor e confiar, é enfrentar o desconhecido. É deixar o passado para trás e deixar o futuro ser. Coragem é seguir trilhas perigosas. A vida é perigosa. E só os covardes podem evitar o perigo – mas aí já estão mortos. A pessoa que está viva, realmente viva, sempre enfrentará o desconhecido. O perigo está presente, mas ela assumirá o risco. O coração está sempre pronto para enfrentar riscos; o coração é um jogador. A cabeça é um homem de negócios. Ela sempre calcula – ela é astuta. O coração nunca calcula nada.
- Osho -


"a felicidade só é real quando compartilhada" (Christopher McCandless)

Deixar a vida fluir como um rio. De vez em quando se enroscar nuns galhos e esperar que a força da água te libere... para continuar no fluxo. Uma hora a gente encontra o êxtase, o encantamento supremo, a cachoeira... e brinca de "iupi" com a vida... deixa-se levar no imenso e delicioso escorregador da paixão, que nem se sabe aonde vai dar. Mas é aí, na entrega, que você pode achar o lago; calmo, transparente, tranquilo, fresco... pra lavar a alma e se deleitar. Se a gente não arrisca nada, talvez não encontre isso nunca. Quanto custa? O amor verdadeiro, aquele amor que vem com tudo junto? Tesão, admiração, carinho, intimidade, paixão? Custa a entrega... o que nem todo mundo consegue. O medo da entrega pode consumir vidas inteiras. É como estar no deserto e passar batido pelo oásis. Que pena... porque não somos bonecos de plástico. Temos sangue nas veias e um coração que pulsa, pulsa, pulsa. E uma barriga que cria borboletas quando o nosso olhar encontra o olhar "daquele alguém". É o pulso respondendo, é o corpo respondendo ao chamado quente da vida, VIDA... assim, de letra maiúscula quando é realmente vivida! É reverberação. E isso não acontece muitas vezes. Só algumas pessoas têm o poder de provocar isso na gente... é pele, é cheiro, é um algo mais que não se traduz em palavras. Funciona assim como as grandes quedas d'água nos rios: quando você dá de cara com elas, ou foge (se der tempo) e nunca vai saber o que aquilo te proporcionaria, ou se deixa levar pelo turbilhão... solta o corpo e vai! Assim, simples assim! A mágica se revela quando a gente tem coragem de se envolver. Sem intensidade não há gente de verdade... "sem tesão não há solução".
- Lilian Guedes -

domingo, 13 de abril de 2008

"tão bom morrer de amor e continuar vivendo"


Satisfação

Então... a gente nem sabe direito o que é que nos falta... até que apareça e entre na nossa história. Pode ser por um dia, ou por um instante apenas. Um breve amor, por que não? Mesmo que seja uma pequena dose... sim! Um bocadinho de amor faz tanto milagre... ai! Alimenta a alma, faz bem pra pele, pros cabelos, pros músculos, pras vísceras. Pro humor então, desnecessário comentar.

O amor é de longe o melhor remédio para todas as mazelas, individuais e coletivas. Tão fácil, tão simples, tão ao alcance das mãos... dos olhos. Por que é que a gente complica tanto as coisas? Se "todo amor é sagrado"? Sim, qualquer amor e não de um alguém específico. O importante é a troca. É o reabastecimento. É dar e receber coisa tão preciosa e tão descomplicada quando se quer. Sem culpa, sem se importar com o que virá amanhã... se vier um amanhã. Importa? Não, realmente não. Hoje, depois de tentar entender o mecanismo pelos caminhos mais tortuosos possíveis, vejo isso com tanta clareza! Como é que não enxergava antes... aquilo que é tão óbvio, ali, bem na frente do meu nariz? Tão perto e tão banal que quase poderia debochar de mim. Amor não se pede... nunca! Amor se permuta. Só isso! E, tal qual acontece com o mecanismo da permuta, funciona enquanto houver interesse de ambos os lados. Pode ser por um momento, por uma noite, por algumas, por várias... com muita sorte, sintonia e igualdade de objetivos, por toda uma vida até... quem sabe?

Pode parecer áspero demais esse diagnóstico do amor, mas é como eu o descrevo nesta fase da vida, quando há quase mais sabedoria do que ilusão na balança... sem amargura, mas com a lucidez de derramar uma porção de mel apenas nos momentos certos, pra que haja sempre fartura no pote. Assim não dói... e, fala sério: sem essa de que a dor é boa, de que a dor ensina... sem dor é melhor, muito melhor. Será esse o verdadeiro conceito de satisfação? Suspeito que sim. Todo exagero é desperdício, é desnecessário... perda de tempo enfim. O segredo é ter o suficiente para ser feliz, se deliciar com o presente, curtir o momento... - Que momento? - já passou.

Lilian Guedes

sábado, 8 de março de 2008

dance with me


let's dance little stranger
show me secret sins
love can be like bondage
seduce me once again
burning like an angel
who has heaven in reprieve
burning like the voodoo man
with devils on his sleeve
won't you dance with me
in my world of fantasy
won't you dance with me
ritual fertility

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

hoje...and forever!


"Hoje quero a loucura dos que amam
Quero soltar as amarras do meu coração
E deixar que minha luz e meu ser envolvam
Quem se aproximar
Hoje quero a loucura das crianças que, inocentes,
Compartilham seus corpos com o mundo
E são irresponsáveis o suficiente para se entregarem completamente à dança da vida
Quero também a loucura das flores
Exalando perfume e aceitando o risco
De se abrirem totalmente
Mesmo sabendo de sua curta existência
No encontro com o vento...
Quero estar absolutamente vulnerável ao amor
Ao prazer e à dor...
Hoje eu só quero um compromisso
O de não me comprometer com a sanidade
dos que pensam para viver depois
Quero estar disponível e louca...
para ser vivida pela vida."

(Antônio Roberto Soares)